Workshops Confirmados

A sessão de Workshops, Oficinas e Minicursos metodológicos é uma atividade do SemeAd que tem por objetivo promover atividades práticas e discussões aprofundadas em temas específicos de pesquisa acadêmica. Os Workshops contam com pesquisadores experientes em cada uma das temáticas propostas.

Para participação nos Workshops não será necessário realizar inscrições específicas.
A capacidade máxima de participantes em cada sessão é de 300 pessoas.

O processo de citação e referenciamento é fundamental para a elaboração de trabalhos acadêmicos. Nesse sentido, softwares com diversas funcionalidades podem ser integrados ao seu editor de texto onde você pode estruturar, organizar e formatar automaticamente de acordo com as normas de referenciamento. Também é possível utilizar os softwares para gerar as citações ao longo do trabalho. Além de simplificar a organização e a formatação de um trabalho acadêmico, também funciona como redes sociais. Assim, o usuário pode explorar e se manter atualizado com as tendências de pesquisa da sua área e estabelecer contato com outros pesquisadores. Ferramentas funcionais e inovadoras que tem se mostrado recursos eficientes no processo de produção e escrita.

ACR baseia-se na captação das percepções e cognições do entrevistado de forma espontânea por meio de uma entrevista semiestruturada e interativa. Essa abordagem possibilita que o sujeito da pesquisa desenvolva seu discurso de três formas: (I) espontaneamente, a partir do conhecimento prévio do entrevistado sobre o fenômeno; (II) direcionada, com base em palavras-chave e/ou frases relacionadas ao fenômeno evidenciadas em fichas; e (III) criativa, por meio da escrita livre em papéis em branco. A primeira forma ocorre sem o controle direto do pesquisador; a segunda acontece de forma direcionada, uma vez que o fenômeno é delimitado; e a terceira explora as cognições do sujeito por meio da criatividade e expressão escrita. Em todos os momentos o pesquisador acessa as cognições dos entrevistados. Os ciclos propostos – Espontâneo, Guiado e Criativo – podem ser aplicados em conjunto ou de forma isolada, ou ainda, de forma combinada. Dentre estes ciclos, dois apresentam diferentes procedimentos de coleta de dados que nos levam a considerar cada um deles como uma técnica independente, a saber: (I) a Técnica das Fichas, presente no Ciclo Guiado; e (II) a Técnica da Livre Produção Escrita, presente no Ciclo Criativo. O contexto geral e a aplicação da abordagem metodológica tem revelado dinamicidade à realização das entrevistas e a identificação de diferentes processos cognitivos nas três etapas constituintes, sendo mais especificamente, nos ciclos delineados na segunda etapa, a exemplo da percepção, memória, emoções, senso de ordenamento e atribuição de significado e grau de importância. O objetivo do aprendizado na oficina é proporcionar o conhecimento sobre cada um dos ciclos da ACR, bem como as suas formas de operacionalização nas entrevistas individuais ou em grupos focais, isto é, informar sobre as formas de condução de uma entrevista semiestruturada tendo como base a utilização da referida proposta metodológica.

A oficina irá apresentar aspectos fundamentais a respeito da análise qualitativa de dados com apoio de software, em pesquisas e produções científicas, a partir da compreensão de suas possibilidades e limitações. Serão abordados princípios e finalidades, além de procedimentos básicos de apoio às análises com software específico.

Essa oficina abordará os seguintes tópicos:
(I) como conceituar Big Data e Inteligência Artificial;

(II) fases de um Projeto de Big Data; e

(III) apresentar algumas aplicações de Big Data e Inteligência Artificial em diversas áreas.

A oficina aborda o papel do(a) professor(a) na utilização de casos como uma estratégia inovadora de ensino e aprendizagem. Pretende-se discutir a inserção do método de casos no plano de ensino da disciplina, como também a sua utilização no contexto da graduação e da pós-graduação e o papel do professor no processo de planejamento e análise de casos, com destaque para as habilidades de questionar, ouvir, registrar e responder e como lidar com os vários perfis de alunos e de docentes durante uma sessão de análise de um caso.

O livro Aprendendo em Ação: utilização de casos para inovação no ensino e aprendizagem, de autoria de Anielson Barbosa da Silva e Rodrigo Bandeira-de-Mello, será utilizado como base da oficina e o acesso ao livro pode ser realizado no seguinte link:

http://www.editora.ufpb.br/sistema/press5/index.php/UFPB/catalog/book/680

As anotações de campo realizadas por pesquisadores, normalmente em processos de coleta de dados, tem revelado detalhamentos incipientes para a compreensão do percurso metodológico de estudos em Administração e áreas afins. Este workshop tem o objetivo de discutir como descrever o processo de uso de anotações de campo (inclusive utilizando diários) em pesquisas científicas, desde suas escolhas até suas aplicações, tanto do desenho quanto da pesquisa científica em si, visando contribuir para a boa pesquisa qualitativa ou com métodos mistos.

Os mapas conceituais são uma forma de estimular a participação ativa dos alunos durante o processo de aprendizagem. A construção dos mapas conceituais e a discussão sobre o conteúdo representado são potencializadores do protagonismo dos alunos. A oficina tem como objetivos oferecer uma breve introdução teórica sobre os mapas conceituais para, em seguida, convidar os participantes a criarem um mapa conceitual. Alguns dos mapas serão selecionados para estimular uma discussão em grupo para mostrar, na prática, algumas dinâmicas que podem ser utilizadas nos ambientes de aprendizagem remotos e presenciais.

Há quase um século os psicólogos sociais têm se dedicado ao estudo e ao desenvolvimento de modelos que sejam válidos para mensuração de atitudes. Prestes a completar 90 anos, o artigo “A technique for the measurement of attitudes” de Rensis Likert publicado em 1932, conta com mais de 19 mil citações no Google Scholar, mas a prática dos pesquisadores leva a crer que o trabalho foi pouco lido e muito citado. O uso de escalas para mensuração de atitudes é uma das formas mais usuais de levantamento de dados em pesquisas que tem como unidade de análise o ser humano, e a sua correta construção e validação é um passo decisivo cuja execução pode comprometer todo o resultado da pesquisa. Nesta oficina serão apresentados os conceitos fundamentais da mensuração, os tipos de escala, as formas de construção de um banco de itens, seu processo de validação e como utilizar os resultados obtidos na redação do relatório de pesquisa.

Nessa oficina discutiremos as origens da Crise de Replicação em áreas de ciência, elementos que a caracterizam e que se relacionam com a ética em pesquisa como, p-hacking, HARKing, viés de publicação, e os passos para o desenvolvimento de estudos reproduzíveis e replicáveis pautados na ética em pesquisa.

Origens da Crise de Replicação.
Um estudo de parapsicologia publicado por um pesquisador conhecido em um importante periódico de psicologia abriu as portas para o debate acerca de replicação de estudos. Outros pesquisadores replicaram o estudo, não encontraram o mesmo resultado, e a replicação não foi aceita no periódico. De lá para cá o debate se intensificou, o termo Crise de Replicação ganhou força saindo da psicologia e englobando outras ciências, e uma série de propostas como pré registro de hipóteses, compartilhamento de dados, open science, edições especiais de replicação têm sido discutidas e implementadas.

Expostos ao método científico pela primeira vez, com as honrosas exceções dos egressos de programas de Iniciação Científica, os alunos dos programas stricto sensu precisam desenvolver rapidamente novas habilidades para se adequar às demandas da vida acadêmica e cumprir com os requisitos necessários à titulação. Estas habilidades preparam o pesquisador principiante a transformar suas ideias, inquietações, insights e vivências profissionais em produtos acabados como dissertações, teses, artigos, relatos técnicos, revisões da literatura, working papers, etc, às vezes com mais ou menos desgaste, mas sempre como um processo. Como identificar gaps no campo do conhecimento e delimitar seu tema de pesquisa? Como levar para as reuniões de orientação uma “lição de casa” bem feita e com um cronograma detalhado de como chegar à defesa? Nesta oficina serão apresentadas técnicas e métodos para um primeiro mapeamento da produção científica e delimitação do tema de pesquisa com uso de softwares e algumas propostas de como transformar os achados em objeto de estudo.

Objetivo:

Fornecer elementos para que o professor iniciante possa entender os principais condicionantes do processo ensino/aprendizagem do ensino de graduação e aplicar com eficiência as técnicas de ensino básicas.

Ementa: O curso destina-se a esclarecer a dinâmica em sala de aula, bem como identificar os componentes dos documentos elementares e características de sala de aula, mostrar técnicas possíveis no ensino superior e tratar de questões elementares de avaliação.

Temas:
– Comunicação com o estudante
– Diário de classe
– Plano de ensino x plano de aula
– Estratégias de ensino: a aula expositiva bem feita, estratégias Inovadoras de ensino
– Avaliação

Professores de pós-graduação, mestrandos, doutorandos e até mesmo profissionais não acadêmicos têm percebido cada vez mais a necessidade de se engajar na escrita de um artigo tecnológico. Entretanto ainda há muita dúvida acerca desta modalidade. A escolha do tema é a primeira função do pesquisador. Quando falamos em projeto tecnológico, esta fase torna-se ainda mais crucial! Um projeto tecnológico deve ir além da compreensão de fenômenos; deve propor a solução para um problema de ordem prática identificado. Neste workshop você irá aprender a definir o tema do seu artigo tecnológico.

Há uma recorrência de notícias e pessoas dizendo que o futuro da educação passa por gamificação e tecnologia e que as Soft skills são a vez do momento no mercado de trabalho. Nesse Workshop, vamos juntar tudo isso num bate-papo sobre estratégias de adoção de Business Games para promover Soft Skills nos cursos de Administração. O nosso desafio vai além de revelar o potencial do Business Game e das Soft skills que nossas pesquisas têm indicado. Nós queremos ajudar os interessados no primeiro passo de planejamento e implementação de Business Games na sua instituição de um jeito prático.

A presente oficina tem como objetivo capacitar os participantes na manipulação e análise exploratória de dados da base do Global Entrepreneurship Monitor. Para isso, a oficina será dividida em dois encontros de 90 minutos cada, por meio de aula expositiva acompanhada de
um estudo de caso.

A análise de dados em painel é uma das principais ferramentas quantitativas das pesquisas em Administração com dados longitudinais. Trabalha tanto com dados univariados, quanto multivariados. A ideia do workshop é apresentar os conceitos fundamentais da modelagem econométrica para dados em painel. Serão abordados os diferentes modelos de análise, seus pressupostos, testes de especificação e os procedimentos básicos de operacionalização dos softwares estatísticos Stata ou Gretl.

Objetivo:

Apresentar as potencialidades da Análise Crítica do Discurso em Administração, seus principais aspectos teóricos e metodológicos e possíveis percursos de investigação.

Conteúdo: Apresentação da Análise Crítica do Discurso (ACD) a partir do contexto da Administração e suas potencialidades; aspectos teóricos e metodológicos da ACD; principais problemas e questões de condução prática no campo da administração e suas sutilezas em relação ao campo da linguística; correntes de pensamento e o modelo tridimensional de Norman Fairclough (tradição inglesa); apresentação de um framework sintético para condução prática; exemplos aplicados.

Forma de Condução: Exposição dialogada, por meio da articulação entre teoria e prática, a partir de exemplos aplicados.

O objetivo é apresentar uma visão inicial sobre o que é a QCA e quando é possível utilizar essa técnica em pesquisas na área de administração. Pesquisadores devem sempre suspeitar que há várias causas para a ocorrência de um fenômeno. Por exemplo, não existe uma única explicação para que um conjunto de empresas apresente um desempenho superior ou que algumas organizações tenham uma atuação mais sustentável. Na busca por desvendar a causa de fenômenos complexos como esses, tem crescido o uso da QCA em pesquisas da área de administração. Desenvolvida inicialmente na sociologia, a QCA é uma técnica de pesquisa útil para examinar casos que alcançam um resultado específico e identificar as diferentes causas existentes para se chegar a esse resultado.

O objetivo desta oficina é apresentar aos participantes uma introdução à Análise Multigrupo (Multigroup Analysis) utilizando o SmartPLS v2 ou v3. A Análise Multigrupo que é uma técnica avançada onde se procura testar se grupos pré-definidos possuem diferenças significativas entre si.


Supõe-se que os participantes tenham conhecimento básico de métodos estatísticos multivariados, como regressão múltipla e análise fatorial. Supõe-se também que os participantes já tenham um conhecimento básico sobre o uso do SmartPLS v2 ou v3.

Conjuntos de dados, mais os modelos estruturais e de medidas correspondentes, também serão disponibilizados pelo instrutor.

A Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil representa uma relevante mudança na forma como os dados das pessoas são tratados em território nacional, portanto pretende-se com esta oficina:

A) examinar está legislação enquanto mecanismo normativo, ou seja, despida de tecnicismos;

B) analisar sua manifestação junto a pesquisa científica seus instrumentos de coleta de dados;

C) explorar os artefatos disponíveis ao atingimento do compliance pertinente; e

D) discutir amplamente com os participantes aspectos inerentes.

Este workshop tem o objetivo de explicar o que é Machine Learning (ML) de forma simples para não-inciados, bem como de prover uma visão geral das etapas típicas de um projeto de ML e as dificuldades que podem ser encontradas durante seu desenvolvimento. Falaremos brevemente sobre tipos de aprendizado, preparação de dados e seleção de modelos. Os principais objetivos são 1) explicar o que é ML e em que casos é aplicável e 2) ajudar o aluno a dar o primeiro passo na área de ML com uma sugestão de passos a serem seguidos.

É cada vez mais presente a pressão sobre profissionais de marketing acerca do retorno das atividades mercadológicas. Essa pressão encontra respaldo na disponibilidade de dados e na disseminação de pesquisas sistemáticas que mensuram e revelam a influência de diversas estratégias de marketing sobre variáveis de desempenho individual e agregado. Esta oficina tem como objetivo apresentar os conceitos básicos do Marketing Analytics, suas origens e fundações conceituais e o estado das generalizações empíricas de marketing que subsidiam pesquisadores e consultores quando estes vão analisar dados de atividades mercadológicas. A Oficina está estruturada com uma parte teórico-expositiva e outra prática, em que o proponente estimará um modelo mercadológico, comparando os resultados com evidências sistematizadas na literatura.

Exposição sobre meta-análise aplicada à administração, iniciando com definição e impacto para a construção da ciência e finalizando com exemplos de efeitos, de conversões e interpretações das estatísticas associadas.

Netnografia é uma abordagem de pesquisa qualitativa que foi introduzida nas áreas de marketing e comportamento do consumidor pelo Prof. Robert Kozinets, tendo sido aperfeiçoada ao longo dos anos. Trata-se de uma adaptação da etnografia, método consagrado na Antropologia, para o ambiente online. Considerando que nesse ambiente há uma infinidade de dados disponíveis, a netnografia foca no estudo da cultura através das narrativas e interações dos indivíduos, mediadas pela tecnologia, em redes e comunidades online.

Conteúdo: Contextualização da Netnografia; Cultura e Comunidade; Tipos de Dados; Etapas da Netnografia; Questões Éticas; Exemplos.

Para conseguir uma posição como professor pesquisador no exterior é preciso uma série de cuidados e algum tempo de preparação. Neste workshop vou compartilhar a minha experiência na participação de diversos processos seletivos no exterior, salários, entrevistas, ofertas recebidas, como identificar oportunidades e preparar toda a documentação para aumentar suas chances de desenvolver de uma carreira acadêmica internacional.

Objetivo:

Apresentar um método científico aplicado para a elaboração de produtos tecnológicos alinhados aos atuais critérios de avaliação de programas pela CAPES.

Descrição: Discutir os procedimentos voltados para a solução de problemas nos moldes do tradicional Business Problem Solving, associadamente aos conceitos da Visão Baseada em Recursos e do Design Research, que tratam com a solução de questões reais das organizações, visando ao seu desenvolvimento.

Abrangência: O método oferece uma contribuição efetiva à elaboração de produtos de natureza tecnológica, atendendo aos critérios de – aplicação – impacto – inovação – complexidade – estabelecidos pela CAPES.

A pesquisa qualitativa pode se beneficiar do trabalho em equipe. Especificamente, estamos falando do processo de análise que, ao incluir uma discussão colaborativa e acolher diferentes perspectivas, tende a elevar a qualidade e a intersubjetividade da análise. A proposta da oficina é apresentar a interface do Maxqda e prover um passo a passo relativo à gestão do trabalho de análise em equipe, a partir de suas ferramentas.

Nesta oficina, abordaremos as funcionalidades das bases Web of Science e Journal Citation Reports, para levantamento bibliográfico, rankings de produção científica, análises de produtividade de autores, cálculo do índice H, e identificação dos períodicos científicos de maior visibilidade publicados no mundo, por área do conhecimento. Mostraremos nas plataformas como fazer as análises e usar essas funções.

A presente oficina terá como objetivo principal a apresentação de um caso de uso da modelagem de equações estruturais com uso do software Smart PLS. Serão apresentados todos os passos para o desenvolvimento e avaliação dos índices de ajuste do modelo. A ênfase principal será na prática e na discussão de situações particulares que normalmente causam problemas para os iniciantes no uso da técnica. Ainda serão apresentados dois tópicos adicionais: Avaliação de outliers multivariada (distância de Mahalanobis) e Vieses devido ao método comum (CMB – common method bias) para avaliação de possíveis correlações espúrias, devido a ordem de apresentação dos itens, da situação de aplicação, a forma transversal de coleta de dados, efeito halo (contaminação das respostas) etc.

O workshop consiste em exposição teórica acerca das características das
principais pesquisas do instituto e trabalho prático, com manipulação de
indicadores por meio do acesso aos bancos de dados.
Cronograma:
– Exposição teórica das principais pesquisas do instituto;
– Uso e acesso ao Banco de Dados Sidra;
– Características dos microdados das principais pesquisas;
– Noções gerais e elaboração de indicadores no Banco de dados BME.

Esta oficina tem por objetivo discutir e apresentar o RealEye como ferramenta para rastreamento ocular em pesquisas científicas. O rastreamento ocular é aplicado em diversas áreas do conhecimento e fornece uma maneira única de observar a alocação da atenção humana de uma maneira extrínseca. Suas potencialidades estão relacionadas a identificação de pontos de atenção, o desenvolvimento do mapa de calor, a análise de pupilometria, a identificação e análise dos movimentos sacádicos. Com esta oficina, o participante será capaz de elaborar um desenho de experimento, coletar e preparar os dados para análise, bem como entender o funcionamento e especificidades do software. A oficina será ministrada de forma expositiva, online e remota.