Estudos Organizacionais

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Luisa Mendes Teixeira

Universidade Presbiteriana Mackenzie

Temas e Líderes:

O objetivo deste tema é atrair trabalhos que se empenham em discutir ativamente questões epistemológicas em administração sob qualquer visada paradigmática. Por "discutir questões epistemológicas", entendemos discussões sobre a produção de “verdades”: suas condições de possibilidade, seus limites, as críticas a que estas verdades são submetidas. Também entendemos que o debate epistemológico remete de forma direta àquele relativo a questões ontológicas, ou seja, à natureza do mundo em que estamos e no qual localizamos nosso olhar. Entendemos que questões ontológicas e epistemológicas são frequentemente coexistentes - daí o frequente uso do termo “questões onto-epistemológicas”. Ressaltamos que este tema não tem como objeto problemas de ordem puramente metodológica. Trabalhos sobre metodologia poderão ser submetidos quando envolvem de forma direta uma discussão de caráter epistemológico ou ontológico - ou seja, questões relativas à verdade e à natureza do objeto observado. Encorajamos submissão de trabalhos de qualquer orientação paradigmática, ainda mais porque a própria discussão sobre paradigmas é uma discussão sobre epistemologia.
Como o objetivo é abrir debates inter e transdisciplinares entre as diversas formas de produção de saberes em organizações, são muito bem vindos trabalhos baseados ou inspirados por áreas de conhecimento como filosofia, sociologia, antropologia, psicologia, psicanálise, história, geografia, economia. No sentido de produzir um ambiente propício para a troca de saberes, encorajamos não apenas o encaminhamento de investigações finalizadas, mas também a submissão de trabalhos que estejam ainda em processo de elaboração e tragam em seu bojo mais perguntas que respostas.

Prof. Dr. Eduardo Ayrosa (UNIVERSIDADE POSITIVO)

Embora as ciências administrativas com frequência se voltem ao estudo das organizações formais caracterizadas pela burocracia, pela hierarquia e por uma racionalidade formal, a realidade sempre é mais diversa. Inúmeras são as formas organizativas que emergem da realidade e fogem aos modelos hegemônicos. Neste tema, estimulam-se artigos teóricos, ensaísticos ou teórico-empíricos, com diversas perspectivas epistemológicas, teóricas e metodológicas aderentes aos Estudos Organizacionais nas seguintes temáticas: formas de organizar prefigurativas; organizações não-utilitaristas; organizações autônomas ou vernaculares; organizações horizontais; conceituação organizacional; formas alternativas de se organizar; organizações não-hegemônicas; dívida vs. dádiva; economia solidária; heteronomia vs. autonomia; convivialidade; organização artesanal; o bem comum; pós-extrativismo, decrescimento e bem viver."

Prof. Dr. Lucas Casagrande (UFRGS)

Estimulam-se artigos teóricos e teóricos-empíricos com abordagem voltada aos diferentes níveis de análise: aprendizagem individual, em grupo, organizacional, interorganizacional e os relacionamentos interníveis. Pelo caráter interdisciplinar do fenômeno estudado serão bem recebidas pesquisas de diferentes orientações teóricas (psicologia, sociologia, da ciência das organizações, dentre outras) e diferentes orientações metodológicas. A seguir são apresentados alguns exemplos de conceitos tratados neste tema: aprendizagem organizacional; organizações de aprendizagem; aprendizagem formal e informal; aprendizagem transformadora e reflexão crítica de pressupostos; comunidades de prática; aprendizagem social e experiencial; aprendizagem pela prática; aprendizagem baseada no trabalho; práticas voltadas para a aprendizagem e gestão do conhecimento; mensuração da aprendizagem e relação com seus antecedentes e consequentes.

Prof. Dr. Giancarlo Gomes (FURB)

Estimulam-se artigos teóricos ou teóricos-empíricos inovadores, com diferentes perspectivas epistemológicas, ontológicas, teórica e metodológicas nos seguintes temas: Atitudes e
satisfação no trabalho. Comprometimento, entrincheiramento e consentimento organizacional e com a carreira. Emoções e afetos no trabalho Personalidade, avaliações autorreferentes e valores. Percepção, atribuição, tomada de decisão. Motivação. Estética nas (das) organizações. Saúde e bem-estar nas organizações. Liderança nas organizações. Ética e responsabilidade social. Poder nas organizações. Conflito e negociação. Organização virtual, equipes virtuais, equipes multiculturais. Estrutura organizacional. Mudança organizacional. A abordagem das práticas e o estudo do cotidiano nas organizações.

Profa. Dra. Virginia Carvalho (UNIFAL)

Profa. Dra. Gilvanete Dantas de Oliveira Pereira (CEAP)

Objetiva fomentar teorias e pesquisas empíricas aderentes aos estudos organizacionais sobre: Gênero, sexualidade (LGBTQ+), raça, idade, classe e outros sistemas de poder institucionalizados que produzem hierarquias, desigualdades e privilégios. Interseccionalidade entre identidades e diferentes formas de expressões grupais. Impacto das ações afirmativas, políticas de diversidade, gestão da diversidade e dos discursos nos diferentes grupos e na promoção de inclusão no trabalho e nas organizações. Barreiras estruturais e institucionais para a promoção de equidade e igualdade. Impactos da diversidade e da produção de diferença no bem estar individual, grupal e organizacional. Repercussão das estruturas organizacionais e laborais sobre sujeitos marginalizados e grupos dominantes. Produção de discriminações, preconceitos e estereótipos. Consequências das diferentes culturas, etnias e nacionalidades no ambiente laboral e organizacional. Produção identitária e suas relações com os estudos organizacionais. Experiências laborais de membros de diversos grupos. Pessoas com deficiência e identidades religiosas nas organizações. Diversidade na Academia.

Prof. Dr. Eloisio Moulin (UFES)

Estimulam-se diferentes perspectivas teóricas, metodológicas e epistemológicas em Simbolismos, culturas e identidades organizacionais. Para isso, busca-se a organização como locus das diferenças culturais (crossculture) e da formação de significados nas interações sociais. O papel da cultura Brasileira nos vários contextos organizacionais e sociais. Culturas nacionais, locais e organizacionais. O simbolismo social das organizações. As identidades formadas socialmente. Sujeito e identidade. Cultura e identidade. A simbologia da identidade. Identidade Organizacional.

Profa. Dra. Cintia Rodrigues de Oliveira Medeiros – UFU (Universidade Federal de Uberlândia)

O objetivo deste tema é estimular a reflexão sobre a contribuição que Estudos Organizacionais pode oferecer às organizações e à sociedade, a partir do acontecimento da pandemia COVID-19. É importante, neste momento, lançar aos fatos sociais das organizações olhares plenos de um novo estranhamento. São bem vindos trabalhos teóricos e teórico-empíricos que façam uma auto-crítica sobre o caminho que Estudos Organizacionais vem trilhando, assim como novas possibilidades. Sugerimos alguns temas, mas são apenas sugestões, não se restrinjam a eles: perda da privacidade e o estado de vigilância como resposta à pandemia; formas organizativas emergentes da pandemia; formas de precarização/flexibilização/uberização do trabalho reflexões a partir da pandemia; pandemia e repercussões no trabalho, COVID-19 e a (re)produção de desigualdades; responsabilidades e respostas à COVID-19; Impactos sociais, culturais e organizacionais da COVID-19; Simbolismos e culturas diante das ameaças da COVID-19. Lugares e espaços no enfrentamento da COVID-19; impactos da pandemia sobre a saúde psíquica dos trabalhadores (especialmente aqueles da saúde); pandemia e ética nas organizações; COVID-19 como uma oportunidade para o aprendizado organizacional; COVID-19 e o papel da aprendizagem organizacional em tempos de crise; repensando a aprendizagem organizacional em tempos de Covid-19: Com o que podemos contribuir como pesquisadores?

Profa. Dra. Maria Luisa Mendes Teixeira (MAKENZIE)